Vol. IV, Nº 11, Juiz de Fora, ago.-nov./2009

· Volume IV

Para nós, do Núcleo de Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos, é sempre uma satisfação poder apresentar mais um número de nossa revista. Em tempos de crise, mais que uma satisfação, torna-se também uma obrigação trazer a público as opiniões e apontamentos daqueles que se dedicam à reflexão de nossos problemas. E, abrindo essa 11ª edição, temos um atual e importante diagnóstico da questão das drogas no país. Em Cultura da Morte e Narcotráfico no Brasil – Causas e Perspectivas, Ricardo Vélez-Rodríguez, coordenador do Núcleo de Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos da Universidade Federal de Juiz de Fora, empreende uma acurada análise da questão do narcotráfico no Brasil, apontando a frouxidão do Estado no tratamento da questão e, baseando-se em exemplos bem-sucedidos de repressão, levantando perspectivas de superação deste que é um dos mais graves problemas de nossa sociedade.

Já em Traços do Fundamentalismo no Protestantismo de Missão: O Caso da Igreja Presbiteriana do Brasil, Juliana Guedes Cordeiro, aluna do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, traça um panorama da presença do movimento protestante no Brasil, mais especificamente do caso presbiteriano, buscando ressaltar os seus aspectos fundamentalistas.

Antonio Gasparetto, em O Brasil na História: Elementos e Proposições para a Construção da Historiografia Brasileira no Âmbito do IHGB, traz-nos a discussão, ocorrida por ocasião da fundação do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro em 1838, de como deveria ser escrita a história do Brasil.
Em Diogo Antônio Feijó e a Emancipação Intelectual do Brasil Colonial, Bruno Maciel procura resgatar a figura de Diogo Feijó como um dos precursores do kantismo no Brasil. Segundo o autor, embasado em Miguel Reale, a partir da constatação do interesse de Feijó pela filosofia crítica de Kant, pode-se constatar também o pioneirismo intelectual da colônia tropical em relação à sede do Império Português já na primeira metade do século XIX.

Ainda nessa edição da Ibérica – Revista Interdisciplinar de Estudos Ibéricos e Ibero-Americanos, Maria Lucia Viana apresenta-nos sua opinião acerca do clássico de Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, onde narra o seu encontro cotidiano com o “homem cordial” de que fala o autor.

Finalizando essa edição, o Professor Ricardo Vélez-Rodríguez destaca os 60 anos de existência do Instituto Brasileiro de Filosofia, órgão fundado por Miguel Reale em 1949 com vistas a acolher, divulgar e incentivar o pensamento filosófico nacional. Segundo Vélez-Rodríguez, “a comemoração dos sessenta anos do IBF representa a conquista de um espaço livre e pluralista para a formulação e a divulgação do pensamento filosófico brasileiro”.

Artigos (Número completo em pdf)

Publicidade

Publicidade